Início > Política > Politicagem > Número de desempregados ultrapassa empregados durante a pandemia

  • Facebook Social Icon
  • Twitter Social Icon
  • YouTube Social  Icon
  • Instagram Social Icon

Número de desempregados ultrapassa empregados durante a pandemia

Atualmente são 87,7 milhões de desempregados em todo o País, que supera 85,9 de empregados em todo território nacional.

Por Valter Silva - Garoa News
01/07/2020 09:30  

Segundo dados da Pesquisa Nacional por Amostra de Domicílios Contínua, do IBGE, deixa claro o quão difícil está sendo viver durante a pandemia no Brasil. Atualmente são mais de 87 milhões de desempregados.

Desde o inicio da pandemia do novo coronavírus, foram mais de 7,8 milhões pessoas desligadas de seus empregos. “É o pior momento em termos de pessoas fora do mercado”, disse Adriana Beringuy, analista da Coordenação  de Trabalho e Rendimento  do IBGE, durante entrevista para o Estado de São Paulo.

Parafraseando Dilma Rouseff, nunca na história deste País, mais da metade da população economicamente ativa ficou sem emprego formal ou informal. A pandemia é um dos grandes vilões deste número, pois desde o início da pandemia o número de desempregados disparou. Especialistas esperam  uma retração de pelo menos 10% no Produto Interno Bruto (PIB) brasileiro por conta do número assustador de desempregados.

“É muito ruim para o País, porque demonstra que o nível de atividade caiu substancialmente. Por consequência, a recuperação fica comprometida e, quando vier a se iniciar, ela virá de maneira lenta. No médio e longo prazos, isso vai requerer das pessoas que comecem a desenvolver atividades de maneira cooperativa, cooperativas de trabalho”, resumiu Silvio Paixão, professor de Macroeconomia da Fundação Instituto de Pesquisas Contábeis, Atuariais e Financeiras (Fipecafi), em matéria para o Estado de São Paulo.

 

Em números, isso significa que de março a maio, deste ano, quase R$ 11 Bilhões em remunerações destes trabalhadores desligados deixaram de circular na economia. A taxa de desemprego, que até antes da pandemia vinha em queda e estava em 11,6% no fim de fevereiro, saltou para 12,9%.

Um dos problemas enfrentados por esse público, continua sendo o novo coronavírus, pois por conta da pandemia muitos destes brasileiros estão desestimulados de procurar uma nova ocupação.  Segundo dados do IBGE, 9 milhões de pessoas tornaram-se inativas até o fim de maio, totalizando 5,4 de desalentados em todo o País.

 

A flexibilização da quarentena pode fazer com que as pessoas voltem a buscar um emprego, pelo menos é o que sugere Daniel Duque, pesquisador do Instituto Brasileiro de Economia da Fundação Getulio Vargas (Ibre/FGV), acrescenta que, além da flexibilização da quarentena, a perspectiva de redução do auxílio emergencial pago pelo governo tende a motivar mais trabalhadores a buscar colocação no mercado em junho e julho, puxando a taxa de desemprego para cima, em matéria reproduzida no jornal Valor Econômico.

 

 Enquanto isso, a população continua carente e necessitada. A pandemia continua a fazer suas vítimas, sendo que dia após dia o número de infectados aumenta, já somávamos 59.745 mortos por covid-19 (30/06), resta a população apertar o cinto e sobreviver, neste ano tão letal para todo o mundo.

Valter Silva

Estudante de Jornalismo da Uninove, atualmente cursando mídias digitais. Apaixonado por comida, filmes, esportes e fotografia. Exímio jogador de Fifa e jogos de corrida de modo geral, além de um leitor ávido. Dedicado ao cuidado com o corpo, esportes e adrenalina e o mais político que uma pessoa pode ser. Seja bem vindo e sinta se à vontade.

 

“Encare o Grande Show que é mundo e seja maior que a Vida.”

    Gostou da leitura? Volte sempre que desejar, não esqueça de nos seguir nas redes sociais  

© 2017 por "Garoa News". Orgulhosamente criado com Wix.com